Modos de Jogo da Segunda Edição

Com o Nacional 2018 e o fim extra oficial da primeira edição no Brasil (eu não julgo ninguém que ainda jogue a primeira edição uma vez que nada foi lançado por aqui), podemos começar a discutir modos de jogo.

A segunda edição apresenta diversos modos de jogo, desde vale-tudo até qualquer restrição maluca que vc inventar (sim, tem um lugar no App pra vc fazer seu formato), mas há dois principais formatos competitivos que levam ao mundial (que agora será apenas por lugares conquistados em outros torneios) e vamos discutir um pouco de cada um deles.

Extended (Estendido)

O mais clássico formato “vale-tudo”, esquadrões de 200 pontos que você pode montar usando qualquer carta e nave que tenha saído em qualquer produto oficial da Segunda Edição (incluindo os kits de conversão).

Nesse formato os jogadores dispõem de toda coleção de naves do jogo até hoje, exceto as naves épicas, dando uma variedade enorme de listas (nem tanto, quando se pensa em competitivo sempre tem algumas coisas que se sobressaem).

Esse formato é usado em torneios sazonais, alguns torneios de kit e, principalmente nos System Opens (torneios gigantes abertos e que dão várias vagas para o mundial).

Hyperspace (Hiperespaco)

Um formato limitado, restrito a algumas naves por facção e apenas alguns upgrades. Diferente do que muitos pensam não se limita às expansões lançadas de naves da Segunda Edição, apesar que esses estão inclusas na lista, existem outras nave permitidas. Na primeira lista de naves permitidas Hyperspace temos:

Rebelde: Y-Wing, X-Wing T65, U-Wing e YT-1300 (essa não “lançada” pela segunda edição ainda)

Império: Tie Fighter, Tie Advanced, Tie Reaper e Tie Striker (também não lançada pela segunda edição)

Escória: Firespray, Fang Fighter, YT-1300, Escape Craft, Mining Guild Tie (todas lançadas)

Resistência: X-Wing T70, RZ2 A-Wing, Star Fortress (vulgo Resistance Bomber) e YT-1300 (as duas últimas não lançadas p3la segunda edição)

Primeira Ordem: Tie Silencer, Tie SF, Upsilon Class Shuttle e Tie FO (a única lançada para segunda edição)

A ideia geral e ter um meta mais balanceado e mutável (em teoria podem proibir e liberar naves e upgrades à medida que vão lançando mais produtos). Esse é o formato usado no outro caminho para o mundial que consiste dos Hyperspace Trials (próximo do que eram os regionais) e Hyperspace Cups (próximos do que eram os nacionais), a ideia é que hajam mais torneios desse tipo se comparado com System Opens e, se a FFG não seguir o modelo de banir upgrades, logo ter quase tudo do extended.

Não sabemos ao certo que formato será o mundial, talvez haja um mundial para cada formato? Mas a realidade brasileira leva a crer que a maioria dos torneios oficiais (ao menos os grandes) serão no formato Hyperspace.

Então pilotos, seja com uma frota ilimitada ou apenas algumas naves icônicas, é hora de colocar o capacete e começar essa nova fase do X-Wing!

Que a força esteja com vocês!

Deixe uma resposta